4.19.2010

O segredo de J.


Nota da autora:
Por quatro ou nove vezes desisti de compartilhar o segredo de J.
Porque eu tinha certeza que minha opinião iria sobrepor à verdade do segredo,
porque mesmo tentando ser fiel a realidade
minhas impressões e amizade por J. tornaria o texto mais meu do que dela.

Mesmo com tantos empecilhos criados por mim, escrevi, fiz de mim também um personagem.


J. é do tipo camaleão, se adapta fácil a qualquer lugar-situação-indivíduo. Essa habilidade dependendo do ponto de vista pode ser interpretada positivamente, uma qualidade, é justamente isso o que J. acha. Considera sua imprevisibilidade a melhor de todas suas qualidades, nisso discordamos. Suas infinitas personalidades deixam dúvidas, embaraçam as opiniões que os outros possuem sobre ela e inclusive a opinião dela sobre ela mesma.

Sempre foi expansiva, comunicativa, divertida, pra frente, mentirosa, excessiva, malandra, provocante, apaixonante, faz parte dessa turma que faz teatro e pinta a cara de palhaço.
Pessoas perigosas são as mais prazerosas de amar. Com elas descobrimos milhões de achados, por elas cometemos crimes e sem elas a gente mofa e fica embolorado. Foi uma graça infinita e ao mesmo tempo demoníaca ter conhecido J. durante seu processo.

J. me ensinou muito, principalmente a não ter medo de uma mulher quando ela se assume homossexual. Exorcizou de mim a idéia fixa de que manter amizade com lésbicas poderia incumbir em mim à homossexualidade.
Mas nem tudo são flores, nem tudo o que dizemos é o que fazemos...

J. de filha pródiga passará a crucificada. Ela sabe das dores que causará aos pais, familiares. Por enquanto, J. ainda leva em consideração o que os outros pensam, o preconceito que virá sofrer ainda aterroriza seus dias, teme não suportar as indelicadezas e ultrajes. Aos onze anos teve seu primeiro beijo convencional, foi com um menino da mesma idade, seu vizinho. Ela conta que além do desconforto do primeiro beijo, da falta de jeito, não sentiu nada que fizesse o corpo vibrar. Até então, não havia indícios de que seu corpo só reagiria ao toque feminino. Não fazia idéia de que poderia ser melhor se fizesse o mesmo com uma menina. Até os treze anos só beijou meninos, algumas vezes achou que gostava daquilo, noutras tinha certeza que não. J. levou bastante tempo até descobrir suas preferências, teve medo de si.

Mostra-se forte, bem aceita e independente para os amigos, mas é tudo encenação. Levou pra vida o que deveria ficar nos palcos, no teatro. Antes dos catorze anos beijou A., menina, se apaixonou, namorou escondido, terminou, ficou na dúvida.
Conheceu I., menino, se encantou, namorou, transou, teve certeza de que não curtia aquilo, mas se intitulou bissexual.
Conheceu sua atual namorada, está apaixonada, cortou cabelo, trocou guarda-roupa, enfiou tênis nos pés, os pais fingem não saber nada, os parentes perguntam pelo namorado, ela fotografa um amigo gay e apresenta aos parentes como sendo o namorado, a namorada freqüenta sua casa, dormem no mesmo quarto, vivem juntas como se fossem melhores amigas inseparáveis. Pra ela a homossexualidade é uma maravilhosa desgraça e de tão leve chega a quebrar os ossos do corpo inteiro. É um fardo pesado, insustentável, livremente disfarçado.

17 comentários:

  1. Espero que a história de J. e A. e I. continue, e seu segredo revelado fique intimamente aos leitores. Só entre nós, mais ninguém :*

    ResponderExcluir
  2. Cada um sabe o peso de suas cruzes. E não adianta a gente tentar mensurar, só estando dentro pra saber.

    ResponderExcluir
  3. Revele cada vez mais segredos, querida!
    Vejo características minhas em tuas personagens. Acho que é o desejo de possuir uma mente como a tua, produtora de seres que fascinam e histórias que tiram o fôlego.
    Genial, Dica! Brilhante! Poste todos os dias? Por favor! haha
    Te gosto muito.

    ResponderExcluir
  4. Diana, você sabe contar segredos, principalmente você sabe fazer com que o segredo não deixe de o ser. Isso é importante e eu continuo adorando.

    Beijos aos montes menina!!

    ResponderExcluir
  5. forte seu relato.
    mas a verdade é sempre forte afinal.

    ResponderExcluir
  6. passando para te desejar um feliz final de semana.
    gosto de voltar aqui...
    gostei do post
    bjs
    Maurizio

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Vim lembrar-lhe que Bárbara http://livrosobrasefilmes.blogspot.com/ faz aniversário hoje! Blog LiVrOs QuE eU jÁ Li :P
    Tenha um ótimo dia!

    ResponderExcluir
  8. Neste momento: impossível ler e comentar por falta de tempo.
    I be back...!
    (Que bom que ter vc por perto)

    ResponderExcluir
  9. Dica,
    sinto muito a sua falta :(

    ResponderExcluir
  10. Querida, seu blog é muito lindo!! amei tbem tenho meus segredos mas acho q ainda não estou pronta pra revelá-los...bj**volte sempre, amei sua presença!

    ResponderExcluir
  11. Oi garota dos segredos!

    Obrigado por seguir o amordepapelão.

    Beijinhos.

    Ivan.

    ResponderExcluir
  12. D fato J. tem uma vida bem surpreendente, gostei de J.

    BeijooO' passa lá!

    ResponderExcluir
  13. Gostei bastante de tudo que escreveu ("Pra ela a homossexualidade é uma maravilhosa desgraça" foi demais!!), Adorei os segredos de J.

    BeijooO'

    ResponderExcluir
  14. Infelizmente, o preconceito ainda faz parte da massa.
    O "diferente" não encontra-se dentro da norma. Torna-se marginal.
    Força para a J.
    Eu curto essas pessoas de teatro que pintam a cara de palhaço!

    Adoro o que escreve, viu?!
    É bom voltar aqui!

    Te mandei um e-mail, para que escreva um texto para o meu blog novo...
    Ansiosa pela resposta!

    Ah! Te espero por lá www.millaborges.com/blog

    Beijos, menina linda!

    Ótima quarta feira!

    ResponderExcluir
  15. Parece que um monte de gente sente sua falta...

    Textão! Gostoso!
    Algumas frases são felizes, explicam e mais: fazem de J. uma humana pessoa.
    Claro, independente do que sentimos lendo sua vida (uma partícula imensa dela), J. tá pela aí: tocando a vida, deixando-se tocar por ela. Aí vem vc Di, e tira música da vida dela... Para isso estamos: fazer a vida de outrem cantar em nossos sentimentos a musica que o Universo escuta; e nós, junto com ele.

    Sempre um prazer estar com vc, cê sabe.

    ResponderExcluir
  16. Muito bom o teu estilo, que coisa maravilhos, achei que nasceu para a cronica, por causa da Jaque te descobri, mas fico feliz e agora te seguir, venha ler meu contos, diferente de ti, são causos de mineiro que não sou, mas acho que teus comentarios sempre serão uma ajuda, pela forma que escreve, tenho teres Blog, diferentes entre si, o Dionaria & Dionaria é o de contos, mas fique a vontade nos tres, tenha um lindo dia e volto para ler os outros, beijos !!!

    ResponderExcluir
  17. Toda a forma de amor vale a pena...não tenho preconceitos contra homossexuais e acho uma hipocrisia a sociedade não aceitá-los.

    Você escreve BEM DEMAIS!

    meus parabéns!

    Beijo, Bia

    ResponderExcluir